EnglishFrenchPortugueseSpanish
EnglishFrenchPortugueseSpanish

Servidores da CGE realizam curso em gestão de riscos

20 de novembro de 2009 - 03:00

Curso visou elevar os conhecimentos sobre a gestão de riscos, compreendendo a identificação e análise de eventos de risco.

Os auditores de controle interno, técnicos da área meio e coordenadores de área da Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado (CGE) participaram, na última semana, do curso de Capacitação em Gestão de Risco e Auditoria Baseada em Riscos, ministrado pelo consultor Reinaldo Simões. Ele é ligado ao Centro de Qualidade, Segurança e Produtividade (QSP), situado em São Paulo, com amplos conhecimentos na área. Inserido no processo de planejamento estratégico da CGE, relativamente à consolidação do projeto de auditoria preventiva com foco em riscos, o curso teve duração de 40 horas e visou, principalmente, elevar os conhecimentos sobre a gestão de riscos, compreendendo a identificação e análise de eventos de risco, assim entendidos como as oportunidades e ameaças aos objetivos institucionais, e sua importância para o processo de tomada de decisões que impactam resultados.
De acordo com o consultor ligado ao QSP, trata-se de um curso dotado de metodologia essencialmente aplicada às atividades profissionais, que utiliza um software específico, bastante dinâmico, no qual os alunos trabalharam conectados diretamente a sites localizados na Austrália, um país que está bastante avançado em gestão de riscos. Ele citou, ainda, outros países que utilizam essa mesma metodologia como os Estados Unidos, a Inglaterra e a Holanda. “Além disso, é importante destacar que estamos seguindo a norma ISO 31.000, que é a mais completa e atualizada para a gestão de riscos, uma vez que foi publicada no último dia 16 de novembro. Portanto, a equipe da CGE está tendo acesso ao que há de mais moderno nesta área tão importante na administração pública”, asseverou Reinaldo Simões.

De acordo com Paulo Roberto de Carvalho Nunes, da Coordenadoria de Auditoria da Gestão (Coaug), o curso foi solicitado por ele e seu colega Marcelo de Sousa Monteiro, da Coordenadoria de Ações Estratégicas (Caest), uma vez que as equipes de ambos atuam numa área do conhecimento que vem sendo objeto de maior atenção para quem trabalha na gestão de riscos. Os auditores, normalmente, examinam papéis sobre algo que já aconteceu e o risco é algo que pode, ou não, vir a ocorrer, acarretando ameaças ou oportunidades ao processo de gestão. “Então, com os conhecimentos adquiridos, queremos iniciar nossa preparação para analisarmos situações relativas a eventos que poderão, ou não, vir a ser desencadeados, buscando proteção para os riscos negativos e alavancagem aos riscos positivos. Ingressando, assim, nessa nova fronteira do conhecimento na área de gestão de riscos e de auditoria, que já é uma realidade existente no exterior e que, em breve, estará disseminada em todo o Brasil”, explicou o coordenador da Coaug. Além disso, ainda segundo o coordenador de auditoria, os instrumentos de trabalho que os auditores passarão a utilizar priorizarão a avaliação e análise do nível de qualidade da gestão de riscos, no Estado como um todo.